[ editar artigo]

Como diminuir a ardência da pimenta na comida? Tipos de pimentas, mitos e verdades e a dica preciosa da nutri!

Como diminuir a ardência da pimenta na comida? Tipos de pimentas, mitos e verdades e a dica preciosa da nutri!

Famosas por darem um toque "especial" aos pratos, sejam eles salgados ou até doces, as pimentas trazem a picância pro paladar e junto uma série de benefícios para a saúde, sabia?

Vem comigo conhecer os principais tipos de pimenta, 5 mitos e verdades sobre elas, seus efeitos na saúde e uma dica prática que vai te ajudar MUITO de como diminuir a ardência da pimenta na comida!

Tipos de pimenta

Pimenta Biquinho

Como o próprio nome já diz, a Pimenta Biquinho é aquela pequena e com um bico. Seu sabor é suave e pode ser consumida como aperitivo ou em cima de saladas e grelhados. Ela é bonitinha, então comumente usada na decoração de pratos ou até em conservas de enfeite. Ah, e também dá para fazer geleias.

Pimenta Bhut Jolokia

Essa aqui é porreta! A pimenta recordista de ardência (saiu no Guiness e tudo!). Por causa dessa característica potente, ela deve ser manuseada com cuidado, pois causa queimaduras, então use luvas!

Pimenta Caiena

A pimenta Caiena andou famosa entre as blogueiras que faziam uso desse tempero em seus cafés para obter um efeito termogênico. Ela é na verdade uma mistura de pimentas vermelhas (malagueta, dedo de moça e chifre de veado). É bastante ardida, e muito usada em pratos tailandeses e mexicanos.

Pimenta Cumari

Essa pequena gigante! A Pimenta Cumari é pequenininha, mas nada inofensiva. É umas das mais ardidas também. É originária do Brasil mesmo. É redonda/oval e quando madura é vermelha.

Pimenta de Cheiro

O nome sugere e é isso mesmo, é uma pimenta usada mais pelo aroma. Pode ter níveis diferentes de ardência e muitas cores também. Muito usada para enfeitar os pratos ou só dar um cheirinho gostoso sem arder.

Pimenta Dedo-de-Moça

A pimenta mais conhecida do Brasil. Ela tem ardência média e ainda alivia se tirarmos suas sementes. Muito usada em molhos, combinando com carnes, peixes gordos e até em doces. A Dedo-de-moça é vendida de diversas formas (seca, fresca, em conserva, etc.)

Pimenta do Reino

Outra pequena notável! Mas nesse caso é porque é a pimenta mais antiga e largamente usada em todo o mundo. Tem origem asiática. Pode ser usada de diversas formas, mas normalmente encontramos a pimenta do reino seca e em pó (preta) ou em grãos para moer (branca).

Pimenta Jalapeño

Essa letra N com acento não é à toa. Pimenta de origem mexicana com aquele formato típico das pimentas e pimentões, mas um pouco mais rechonchuda. Verde quando ainda não amadureceu e vermelha quando está madura. Muito usada fresca, apesar de bem picante.

Pimenta Malagueta

Também uma das mais conhecidas aqui no Brasil. É aquela pimentinha típica dos desenhos. Formato alongado e vermelho intenso com o caule verdinho. É bastante ardida, mas muito usada na culinária brasileira, principalmente no Norte e Nordeste.

Pimenta Rosa

Diferente das outras pimentas, a Pimenta Rosa é na verdade um fruto seco da aroeira. Usada mais pelo aroma em receitas como filé mignon ou o famoso chocolate com pimenta. É uma pimenta seca e leve e de baixo ardor.

Como podem ver, as pimentas apresentam diversas cores, formatos e níveis de ardência. O componente responsável por gerar a sensação de ardor/queimação é a capsaicína, que só tem essa ação nos mamíferos. Mas apesar de causar essa sensação, é um tempero muito apreciado e apresenta benefícios para a saúde. Só que o imaginário popular acabou gerando alguns mitos que circulam por aí sobre as pimentas. Vamos desvendar alguns?

5 Mitos e verdades sobre as pimentas

#1 Pimenta causa gastrite e úlcera!

MITO - Pimenta não causa problemas gástricos. Na verdade, o que acontece é um estímulo da mucosa gástrica para aumentar a produção de ácido e isso pode levar a sensação de queimação. De qualquer maneira, em fases agudas de gastrite é aconselhável se evitar o uso frequente de pimentas. Mas para pessoas saudáveis, não é a pimenta que levará a um quadro de inflamação da mucosa gástrica.

#2 Pimenta ajuda a emagrecer!

VERDADE - Apesar de ser verdade que a pimenta ajuda no processo de emagrecimento, não é pelo motivo que o povo costumar dizer. Sim, a pimenta tem efeito termogênico, mas esse efeito causa um gasto calórico muito pequeno. No final das contas não é por fazer você gastar calorias que a pimenta ajuda a emagrecer. É por um outro efeito que ela tem! O de inibir o apetite ou causar saciedade mais cedo. Isso faz com que a pessoa consuma menos calorias. Então não é nenhum milagre!

#3 Quem tem pressão alta não pode comer pimenta!

MITO - Ainda não existe uma comprovação, mas na verdade os artigos científicos vêm apontando até uma possível proteção cardiovascular quando se consome pimenta. Isso pode ser por causa do efeito anti-inflamatório e vasodilatador que elas apresentam.

#4 Grávidas não podem comer pimenta!

MITO - Repitam comigo: “Não existe alimento proibido na gestação!” Imagina só se as indianas iam deixar de comer todas as pimentas que consomem só porque engravidaram? Brincadeiras à parte, não há evidência alguma de que as pimentas causem algum mal no período gestacional. Talvez esse mito circule por causa do uso da pimenta para acelerar o trabalho de parto. Mas, de novo, não há evidência disso também. Então nem para ajudar, nem para atrapalhar a gravidez, a pimenta só serve para temperar mesmo! Ah, e quem amamenta também pode comer tranquila, tá?

#5 Crianças não podem comer pimenta!

MITO - Criança não deveria comer alimentos ultraprocessados. Agora se a comida andou, voou, nadou ou veio da terra, tá valendo! Ou seja, criança pode comer tudo o que é NATURAL. Claro que se deve observar a resposta da criança àquela comida. Se causar desconforto, refluxo ou se a criança já tem alguma feridinha na boca, evite usar, mas em geral, pode temperar a comidinha da criança com a pimenta que a família costuma usar sim!

Falando em temperar a comida da família...

Pesou a mão na pimenta? Dica da nutri de como diminuir a ardência da pimenta na comida!

Agora que vem a dica que prometi lá no início. Aposto que você já ouviu falar que o leite alivia a ardência da pimenta, não é? Pois não é mito não, é verdade!

O leite tem uma proteína chamada caseína impede que a capsaicina atue nos receptores da boca que são responsáveis por levar o sinal de ardido ao cérebro. Então é como se eles competissem na boca, o que ameniza o ardor.

Se você perdeu a linha na pimenta e quer salvar o prato, adicione leite, iogurte ou creme de leite na preparação. Pode virar um prato diferente e salvar a refeição da família!

“Ah, mas eu não como leite e derivados!”

Sem problemas! Outros alimentos podem salvar sua receita:

  • Cítricos: Tomate, abacaxi, laranja, limão ou vinagre podem cortar o ardor!
  • Tubérculos: Cenouras, batatas, entre outros, podem absorver os componentes picantes da pimenta e cortar um pouco a picância.
  • Oleaginosas: Amendoim, gergelim ou tahine podem aliviar também.
  • Em último caso - adoce! Sim, o açúcar pode cortar o sabor picante, mas não é um ingrediente muito interessante, né? Por isso use somente se nenhuma das opções acima servir.

E aí? Qual vai ser o prato caliente do dia? Conta pra mim!

Clube da Energié
Débora Dias Cabral
Débora Dias Cabral Seguir

Nutri pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Mestre em Saúde Pública na subárea de Epidemiologia pela ENSP/Fiocruz. Experiência com atendimento clínico in company pela equipe Energié Nutrição e clínica em geral. 🐝

Ler matéria completa
Indicados para você