[ editar artigo]

Leite faz bem ou mal para a saúde?

Leite faz bem ou mal para a saúde?

De uma hora para a outra o seu cafezinho com leite ficou ameaçado, afinal estão dizendo por aí que leite é o mais novo veneno da humanidade. Mas afinal, leite faz bem ou mal para a saúde? Continua lendo aqui, porque hoje vamos conversar sobre os principais argumentos usados para denegrir a imagem do leite!

Leite: mocinho ou vilão?

Engraçado como alguns alimentos de uma hora para a outra parecem que se rebelam contra o sistema e resolvem se tornar vilões da saúde, não é? Mas diferente das vacas, que podem sim ser mais bravas ou mansas e você pode julgar seus comportamentos, não dá para fazer isso com o produto extraído delas: o leite!

Afinal, leite não tem caráter, não é? Então vamos começar pensando que nenhum alimento pode sofrer esse julgamento, tá bom? Principalmente um alimento que passa por pouco processamento, como é o caso do leite.

Composição do leite

O leite é um produto extraído da glândula mamária de mamíferos fêmeas (teta de animais). E por ser um produto produzido para recém-nascidos (seja de que espécie for) é muito rico em nutrientes. O processo de obtenção do leite é basicamente a ordenha, que pode ser mecanizada ou não, e justamente por isso, o que mais varia na composição do leite é o teor de gorduras, uma vez que é um nutriente menos denso e pode se perder ou aglomerar no meio do processo de extração.

Além dessa possibilidade de perda de gordura na ordenha, a própria indústria pode realizar a retirada parcial ou total da gordura no processamento, fazendo, assim, com que o leite tenha diferentes teores de gordura (desnatado, semidesnatado ou integral).

Os valores de proteínas, carboidratos e micronutrientes, tais como cálcio e fósforo costumam se manter constantes.

Falando em proteína...

...é do leite que é extraído o soro para a elaboração de um famoso suplemento alimentar que bomba na alimentação dos defensores de uma vida fit: o WHEY!

Isso aí! O whey protein que faz parte da alimentação de 11 em cada 10 musas fitness blogueiras vem do leite. Estranho um alimento ser um veneno, mas algo que é extraído dele ser um elixir, né?

Atenção! Não estamos falando de pessoas ALÉRGICAS à proteína do leite, ok? Esses sim são casos especiais e que realmente podem sofrer consequências graves ao consumir leite e subprodutos.

Sobre o cálcio do leite

Anda circulando por aí a falácia de que o cálcio do leite não seria tão facilmente absorvido, ou pior, que o consumo de leite faria com que o corpo perdesse cálcio dos ossos.

Olha, esses argumentos são até estranhos, não fica muito fácil de rebater algo que nem faz sentido.

Mesmo que comparativamente o leite apresente uma absorção menor do seu cálcio em relação ao cálcio de vegetais verdes escuros, por exemplo, você teria que consumir QUILOS de vegetais verdes escuros para conseguir a mesma quantidade de cálcio que contém em 1 copo de leite. Então, não! O cálcio do leite não é menos aproveitado.

E esse papo de que o leite causaria o “sequestro” de cálcio dos ossos não tem uma explicação fisiológica plausível ou que fosse demonstrada em estudos, é só um papo de internet mesmo.

No mais, com leite e seus derivados é muito mais fácil de atingir as necessidades diárias de cálcio para nos mantermos saudáveis. Claro que as quantidades recomendadas variam de pessoa para pessoa.

A famigerada lactose!

Só para conceituar, a lactose é o carboidrato mais abundante no leite. E ela é o substrato de bactérias que fermentam e geram outros produtos como iogurtes e queijos.

As pessoas chegaram até a usar o argumento de que grande parte da população mundial é intolerante à lactose. Mas sabe por que isso acontece? Você já viu o tamanho da população oriental? Pois é. Sabidamente os orientais tem uma queda do metabolismo e produção da enzima responsável pela digestão da lactose na vida adulta, a lactase. Mas isso é só um processo evolutivo mesmo. Afinal esses povos não são exímios criadores de gado, como são os europeus, por exemplo, que vivem MUITO bem, diga-se de passagem, com seus lácteos de tudo quanto é tipo!

Gente, não precisa nem ir muito longe! Faça a analogia de algum brasileiro do Rio Grande do Sul “tchê” e que vá passar uma semaninha se alimentando à base de dendê e pimenta da arretada Bahia! “Ôxe, que ele vai ter um baita de um piriri!” Questão de adaptação fisiológica e cultural também, né?

Então esse argumento é bem falho. Populações que historicamente têm laticínios na base de sua alimentação, não apresentam grandes prevalências de intolerantes à lactose na população, não!

Só humanos consomem leite depois de adultos!

Olha, temos um Sherlock Holmes aqui!

Desculpa, gente, mas eu morro de rir com esse argumento. É absurdo você dizer algo que nem é replicável em estudos. Como que você testa essa hipótese se nenhuma outra espécie de animal é capaz de ordenhar, pasteurizar, produzir leite? Não consigo imaginar um rato ordenhando uma vaca para que o teste fosse feito em laboratório. Mas enfim, pegue uma tigela de leite e ofereça para qualquer mamífero adulto (gato, cachorro, rato...) e veja se ele não irá consumir.

Portanto, sim! Somos a única espécie que consome leite depois de adulta e ainda postamos isso na internet! Afinal, somos a única espécie que evoluiu para criação de gado em larga escala e inventou celulares!

Leite de caixinha é veneno!

Também circula muito por aí a história de que o leite perde todas as suas propriedades dependendo do processo que passa na indústria.

Bom, isso é um assunto mais amplo. Realmente existem algumas propriedades em bactérias naturalmente presentes no leite que podem ser perdidas na pasteurização ou no leite UHT. Mas existem os iogurtes e o Kefir que podem suprir essa “falta de bactérias” nos leites tratados termicamente. Saiba mais sobre o Kefir aqui.

Porém não se pode dizer que um produto faz mal porque passou por um processamento térmico. O leite pasteurizado passa por temperaturas mais amenas que o UHT, só isso. E esse processo é benéfico, pois inativa ou mata a maioria das bactérias que podem trazer danos para a saúde humana. Aí sim o leite poderia ser um veneno: se estivesse cheio de bactérias patogênicas!

Qual o melhor leite então?

Olha, não existe uma resposta fixa para todo mundo.

O consumo de leite e o tipo vai variar de pessoa para pessoa e de objetivo para objetivo.

Por exemplo: Uma pessoa que busca o emagrecimento pode ter mais benefícios consumindo um leite desnatado, assim como uma pessoa que quer controlar mais seu colesterol.

O melhor leite será aquele que você gosta, que seja realmente leite (não composto lácteo) e que trará o melhor custo-benefício pro seu objetivo em específico. Uma Nutri pode te ajudar a escolher.

Benefícios do leite

Vou listar alguns apontamentos que estudos trazem sobre o leite, tá?

#1 Menores riscos de obesidade infantil

Dietas ricas em leite e derivados associadas a menores riscos de obesidade infantil, melhor composição corporal em adultos, menor risco de diabetes tipo 2.

#2 Diminui os riscos de hipertensão

Consumo de 200-300ml de leite ao dia associado a menor risco de hipertensão e acidente vascular cerebral.

#3 Cálcio para os ossos!

Consumo de leite e derivados é associado a melhor saúde óssea na infância, adolescência, vida adulta e menor risco de fraturas na velhice.

#4 Uma vida mais saudável!

Não foi encontrada associação entre consumo de leite e risco de morte por todas as causas (muito menos câncer).

Quais problemas o leite pode causar?

Para responder essa pergunta eu vou separar por tópicos também. O leite te fará mal se:

  • Você for alérgico a proteína do leite
  • Você for intolerante à lactose. Mas já existem versões sem lactose ou adicionadas de enzimas no mercado
  • Você consumir em excesso. Afinal, nada em excesso é saudável

E só! No momento não me vem mais nenhum problema relacionado ao leite.

Caso você ainda tenha dúvidas, manda aqui embaixo nos comentários, tá bom? No mais, pode tomar tranquilo o seu cafezinho com leite de todo dia!

Clube da Energié
Débora Dias Cabral
Débora Dias Cabral Seguir

Nutri pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Mestre em Saúde Pública na subárea de Epidemiologia pela ENSP/Fiocruz. Experiência com atendimento clínico in company pela equipe Energié Nutrição e clínica em geral. 🐝

Ler matéria completa
Indicados para você