[ editar artigo]

Alimentação saudável para idosos: confira algumas dicas e cuidados que se deve ter!

Alimentação saudável para idosos: confira algumas dicas e cuidados que se deve ter!

Sabemos que para ser saudável, a pessoa precisa ter, entre outros hábitos, uma alimentação equilibrada ao longo de toda a vida. Mas será que existem diferenças na alimentação do idoso que podem ajudar ou prejudicar sua qualidade de vida? Hoje vamos conversar um pouco sobre a alimentação do idoso e como ajudá-los a se manterem saudáveis nessa fase da vida.

Lembrando que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), saúde é o bem-estar físico, social e emocional. E devemos ter em mente que a alimentação de qualquer pessoa deve contemplar esses quesitos para ser, também, uma alimentação saudável. Então o que precisamos observar na alimentação do idoso é onde estão as maiores dificuldades encontradas para manter as recomendações de alimentação que seriam saudáveis para a faixa etária anterior: o adulto. É sobre isso que vamos conversar aqui.

Quem é a pessoa idosa?

Antes de falarmos das dificuldades observadas nessa faixa etária, precisamos entender quem é a pessoa idosa.

Já se foi o tempo em que se falava “fulana é idosa” e as pessoas associavam a imagem de uma velhinha de bengala que mal enxerga e escuta, com rugas e cabelos brancos, fazendo crochê na cadeira de balanço. O idoso da atualidade, principalmente em classes sociais mais altas não está muito diferente de um adulto ativo. A verdade é que consideramos idoso no Brasil aquela pessoa que tem 60 anos de idade ou mais.

O avançar da ciência também permitiu que as pessoas chegassem em idades mais avançadas com menos problemas de saúde deixando a nossa população um pouco mais velha. Mas em compensação, fez com que também aparecessem mais pessoas com doenças crônicas não transmissíveis, que são comuns dessa faixa etária. Então é muito comum vermos idosos com pressão alta, diabetes, obesidade, etc.

Mudanças que acontecem no organismo do idoso

Mesmo aparentando menos idade do que realmente tem, o idoso costuma apresentar mudanças fisiológicas no organismo que podem interferir na alimentação. Vamos falar sobre algumas?

O começo de tudo: a boca!

Alguns idosos podem apresentar perda óssea, mas em geral, perda de dentes está mais associada aos maus cuidados de higiene. Independentemente do que possa ter causado, a perda de dentes ou dificuldades na mastigação podem afetar a escolha de alimentos. É comum ver o idoso ter preferência por texturas mais brandas como purês e sopas nesses casos. Isso pode levar a um consumo menor de fibras.

Além da mudança da arcada dentária, existe outra condição comum ao idoso que é a perda do paladar. Já reparou que alguns idosos dizem que a comida está “sem graça”? Bom, essa perda do olfato e paladar é fisiológica também, e pode levar o idoso a adicionar mais sal, açúcar ou gordura na comida. Atenção diabetes, hipertensão e colesterol alto!

Mais adiante: o estômago!

As condições de saúde mais comuns por aqui são a gastrite, o refluxo ou até a diminuição na produção de ácido gástrico. Em geral, todo o trato digestório fica mais devagar e isso pode prejudicar uma boa digestão, trazendo desconforto pro idoso. Pode levar a comer refeições de mais fácil digestão, como as ricas em carboidratos simples: famoso biscoitinho água e sal ou maisena. Ou até a comer menos do que precisa.

A má digestão também pode levar a perda na absorção de alguns nutrientes, então é importante ficar atento a deficiências nutricionais que o idoso pode apresentar. Ou a desnutrição de fato.

Digestão mais difícil envolve outros órgãos!

O pâncreas, o fígado, a vesícula, todos esses órgãos passam nossa vida inteira trabalhando! Se a pessoa não teve bons hábitos ao longo da vida, pode ser que na velhice esses órgãos já estejam sobrecarregados e funcionando mal. Então pode aparecer um diabetes, uma gordura no fígado, aquela pedra na vesícula...

Também existe uma perda de função fisiológica desses órgãos, então são condições de saúde que merecem atenção!

No fim das contas: o intestino!

Já reparou como é comum o idoso ter prisão de ventre? Tem muita coisa envolvida nisso!

O primeiro ponto é uma diminuição da sede, e com isso o idoso passa a beber menos água, deixando o bolo fecal mais ressecado.

Segundo ponto é o que falamos lá sobre a boca, o idoso come menos fibras. Isso quer dizer que ele negligencia o consumo de frutas, verduras, legumes mais in natura ou crus. E nada pior para um intestino preguiçoso do que a falta de fibras!

Além disso tudo, tem o tal fator fisiológico. O trato digestório perde tônus, ou seja, se movimenta pouco, é menos capaz de carregar os alimentos e isso prejudica ainda mais a constipação.

Idosos não envelhecem só por dentro!

Falamos sobre as mudanças observadas dentro do organismo do idoso, mas e por fora, o que é observado?

Duas condições são comuns no idoso: a perda da massa magra (músculos) e o aumento da gordura corporal. Com isso o idoso pode ser apresentar mais emagrecido e fraco se não se alimentar com quantidades suficientes. Ou pode apresentar um sobrepeso ou obesidade se comer mais calorias do que deveria.

Sabemos que a idade também leva embora um pouco da disposição para a atividade física, o metabolismo também relaxa um pouco, então o idoso acaba gastando menos calorias ao longo do dia. Portanto, atenção para as necessidades calóricas!

Ok, falamos do fator físico envolvendo a alimentação do idoso. Mas e os outros 2 que você falou no início desse texto, Nutri?

Bem estar social, emocional e a alimentação do idoso

Quando falamos desses dois outros pontos relacionados ao bem-estar do idoso, pode-se pensar na condição social em que esse idoso vive. Seja ele institucionalizado ou morando sozinho ou com companheiro(a), algumas questões precisam ser observadas.

Ter companhia para fazer as refeições é importante para se manter saudável emocionalmente. Isso ajuda o idoso a manter o apetite e evita a desnutrição.

Fazer uma refeição à mesa com a família, companheiro(a) ou até com cuidadores pode proporcionar a quantidade e qualidade ideal de alimentos que o idoso precisa. Isso também pode evitar o sobrepeso!

Outro fator importante é realizar refeições de forma mais rotineira: 3 grandes refeições (café da manhã, almoço e jantar) e lanches intermediários. Assim o dia fica mais organizado e o idoso tem a percepção de se manter ativo. Além de fracionar as refeições que pode ajudar no controle das quantidades e funcionamento do organismo.

Preparar a mesa pode fazer um bem danado ao idoso na hora de realizar as refeições também, sabia? Então capriche na toalha de mesa, na louça e guardanapos!

Segurança alimentar

É importante ficar atento também a procedência e a higiene no preparo dos alimentos.

Quando feito pelos próprios idosos, às vezes a perda da capacidade de enxergar mais minuciosamente pode deixar passar alguma sujeirinha ou mesmo bichos nos alimentos. E como comentamos, às vezes o idoso perde algumas funções do organismo que poderiam ser uma barreira física ou imunológica à intoxicação ou infecções alimentares. Portanto idosos ou seus cuidadores devem ter atenção à segurança alimentar também!

Dicas para o pessoal da melhor idade evitar maus hábitos alimentares

#1 Cuide bem dos dentes! 

Tenha uma boa higiene bucal, mantendo a capacidade de mastigar em dia! Assim você consumirá uma quantidade adequada de fibras. As principais fontes são: alimentos integrais (cereais, pães, grãos), frutas, legumes e verduras o mais in natura possível.

#2 Tire saleiro, açucareiro e temperos prontos da mesa!

Não é porque você não sente tão bem o gosto dos alimentos, que vai precisar exagerar no sal ou açúcar. Invista em temperos naturais para dar sabor ao seu prato! Temperos industrializados já prontos para consumo são cilada, pois muitas vezes vêm com muito sódio, gordura hidrogenada, etc, o que não vai ajudar em nada com uma hipertensão, por exemplo!

#3 Faça acompanhamento médico e nutricional!

É importante ver se não há alguma deficiência nutricional que precise ser tratada. Portanto mantenha consultas em dia.

#4 Beba água!

Manter-se hidratado(a) é importante em qualquer idade! Mas como conversamos, a falta de sede e o intestino preguiçoso do idoso demandam uma atenção maior para isso. Tenha uma garrafinha sempre por perto para não esquecer de beber! Alarmes podem ser interessantes para ajudar.

#5 Monte a mesa para fazer as refeições e estabeleça horários!

A rotina e uma mesa bonita ajudam a dar mais prazer na hora de se alimentar!

#6 Compre de lugares confiáveis e higienize corretamente os alimentos!

Lembre-se que você pode estar mais vulnerável, portanto invista em alimentos de qualidade, locais com manipulação correta dos alimentos e tenha bastante atenção ao higienizar alimentos e prepará-los.

Não falamos sobre tudo, mas a alimentação dos idosos pode melhorar muito apenas com essas dicas. E aí, o que mais você acha que pode ajudar?

Clube da Energié
Débora Dias Cabral
Débora Dias Cabral Seguir

Nutri pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Mestre em Saúde Pública na subárea de Epidemiologia pela ENSP/Fiocruz. Experiência com atendimento clínico in company pela equipe Energié Nutrição e clínica em geral. 🐝

Ler conteúdo completo
Indicados para você